STAS

Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Seguradora

Slide 1
001/2016
07 de janeiro de 2016
VALE TUDO!
Até Omitir e Mentir
De tempos em tempos há um sindicato que vem a terreiro na defesa do seu moribundo CCT 2008. Se na maior parte das vezes optámos por não responder, porquanto a sua publicidade enganosa não passa disso mesmo e que o tribunal do tempo se vai encarregando de desmascarar, fomos agora brindados com mais um tesourinho deprimente, que omitindo aos seus sócios o essencial da temática associada à negociação coletiva na atividade seguradora, embarca na mentira e na demagogia fácil para assim, de novo, enganar os mais incautos.
Incapazes de dizer aos seus associados o que lhes vai acontecer em termos de convenção coletiva aplicável, por força da mudança de estatuto da APS e automática caducidade de todas as convenções por aquela associação subscritas.
Incapazes de dizer aos seus associados, que se não conseguirem no imediato negociar um instrumento regulador das convenções de trabalho, ou aderirem ao ACT agora negociado, vão os seus sócios ficar somente protegidos pelo Código do Trabalho.
Optaram por um cortejo de mentiras e omissões.
Vamos a algumas das omissões:
Omitem que desde 2015 os seus associados têm um subsídio de almoço inferior aos restantes trabalhadores da atividade seguradora, o qual irá ser de novo aumentado em 2017.
Omitem que os seus associados não irão beneficiar em 2016 e 2017 do aumento salarial negociado pelos sindicatos subscritores do ACT 2016.
Omitem que os seus associados entrados depois de 1995 não têm qualquer sistema complementar de pensões.
Omitem que os seus associados com filhos em idade escolar obrigatória não beneficiam de qualquer Apoio Escolar iniciado em 2015 e melhorado em 2016.
Omitem que os seus associados não beneficiam de um prémio de permanência atribuído de 5 em 5 anos.
Omitem que desde o CCT de 1995, o cálculo da pensão complementar de reforma foi alterado, traduzindo-se a partir daí, decorrente da fórmula de cálculo e limites então introduzidos, em valores muito reduzidos ou quase inexistentes.
Vamos agora a algumas das mentiras:
Mentem que o PIR seja tributado na sua fase final. É por isso mesmo que na eventualidade de não querer o trabalhador transformar o seu valor total em rendas certas, somente pode receber 1/3 do seu montante, sendo o restante transformado em rendas certas;
Mentem que o PIR tenha uma componente de risco. O seu valor é garantido, sendo aumentado todos os anos pelas percentagens consignadas em negociação coletiva e poderá ter – única situação variável – rendimentos acrescidos por força da evolução do veículo onde se encontra.
Porque defendemos a VERDADE!
O STAS é o que melhor defende os direitos dos trabalhadores de seguros!
Sindicalize-se no STAS!
Saudações Sindicais
A Direção